quarta-feira, 16 de abril de 2014

Parnamirim: Cidade com Vocação para a Leitura

Gestores, alunos e mediadores de leitura a cumprir o seu papel!

          A leitura já não cabe mais dentro de nossas bibliotecas escolares.  Hoje ela adentra por todos os bairros, chega a todos os segmentos da sociedade parnamirinense e é democratizada com todas as faixas etárias. 

          Dada a demanda, sua promoção articula esforços públicos e privados.  Na sua segunda edição em Parnamirim, a “Biblioteca Itinerante para Troca de Livros”, idealizada pelo bibliotecário da Biblioteca Central Zila Mamede, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Raimundo Muniz, chegou ao bairro da Cohabinal e atraiu a muitos munícipes neste último dia 16 de abril de 2014, durante a Semana Nacional da Leitura. 


Leitor efetuou a sua troca
         


           Formar leitores é, sim, uma necessidade do projeto e, para além dele, é demanda deste mundo contemporâneo, marcado por uma sociedade grafocêntrica.  Somado a isso o Projeto "Parnamirim, um rio que flui para o mar da leitura crê que a leitura não é uma aptidão, nem tampouco um dom. É uma aprendizagem. E precisa ser ensinada, estimulada. Ler se aprende lendo!  Ações como essa que levam livros às praças públicas é mais uma contribuição para democratizar nosso tão valorizado objeto.





                   
          
          Paralelo a essa ação, mediadores de leitura do polo 6 receberam os alunos das Escolas Ivanira Paisinho, Edmo Pinheiro e Eva Lúcia, em número mais expressivo, e muitos outros leitores de escolas vizinhas.  A recepção foi calorosa e deu-se através de Moacyr Scliar, Eva Furnari, Monteiro Lobato, Elias José e muitos outros!

         O retorno da comunidade parnamirinense foi bastante positivo e isso nos dá a certeza de que estamos no rumo certo de solidificar nossa cidade como um lugar de leitores.  Avante!
    
Escolas foram recepcionadas com leituras!

Nossa vocação!




terça-feira, 15 de abril de 2014

Manoel de Paiva promove "Passagem Literária" na Semana Nacional da Leitura


"Agora sim
Café com pão
Agora sim
Voa, fumaça
Corre, cerca
Ai seu foguista
Bota fogo
Na fornalha
Que eu preciso
Muita força
Muita força
Muita força
(trem de ferro, trem de ferro)"

Manuel Bandeira

          A brincadeira, feita pelo importante representante da literatura brasileira, com o verso "Café com pão", talvez tenha sido a inspiração para a Escola Municipal Manoel de Paiva neste último dia 15 de abril.  Mas não apenas essa obra. "Convite", de José Paulo Paes, "Poesia na Varanda", de Sônia Junqueira e outros textos foram distribuídos, nos quarenta minutos da viagem, na linha férrea entre Parnamirim e Natal.



A personagem lê a obra de seu autor Monteiro Lobato

          No comboio, na primeira viagem da manhã, estavam alunos e professores instigados pelas maquinista mediadora de leitura Jarlene Carvalho,  durante a “Passagem Literária”, ação promovida pela escola no mês em que se celebra a Semana Nacional da Leitura.



Os passageiros atentos à leitura das crianças


         Entre embarques e desembarques nos 17 quilômetros que separam as duas cidades, as crianças leram trechos literários para os passageiros que, boquiabertos, ouviram e elogiaram a iniciativa.   Era Monteiro Lobato para aqueles que subiam na estação Cidade Satélite, Cecília Meireles na estação de Pitimbu, Hailton Mangabeira - escritor cordelista presente durante a ação - na Ribeira; enfim, literatura que quebra a rotina daqueles que, diariamente, precisam utilizar o transporte coletivo.  

          Para aqueles que democratizam a literatura durante a Semana Nacional da Leitura e em todas as demais semanas do ano, nossos parabéns!



E um leitor se faz!
 
Jornalista da InterTV Cabugi cobre a matéria




       

segunda-feira, 14 de abril de 2014

Rubens Lemos promove Recital Poético "Retratos da Vida"



“Poeta, não é somente o que escreve. 
É aquele que sente a poesia, se extasia sensível 
                               ao achado de uma rima à autenticidade de um verso.”

                                                                                                                    Cora Coralina

           Se é assim como atesta a visão da poetisa goiana, são muitos os poetas na vida.  Aliás, o universo literário é riquíssimo, aberto a tantos que a ela apreciam.

          A Escola Municipal Rubens Lemos, promoveu, durante todo o dia 10 de abril, seu primeiro recital do ano, intitulado “Retratos da Vida”.    



Ambiente da escola preparado para o recital
Crianças dramatizam obra de Monteiro Lobato

          Lembrando que o escritor não é apenas o “indivíduo” capaz de exprimir a sua subjetividade no papel, mas alguém que desempenha importante papel social, foram honrados Cecília Meireles, Olavo Bilac, Manuel Bandeira, Pedro Bandeira, dentre outros. Parabéns a todos estes e aos tantos poetas mais que habitam o bairro de Emaús.  



Crianças participam do recital





domingo, 13 de abril de 2014

O Direito de Ler, Todos têm

          Fonte: www.catedra.puc-rio.br, acessado em 08 de abril de 2014





          Toda pessoa tem o direito de ler. O direito de ler em casa no aconchego com os pais, os filhos, o marido, a esposa, o namorado, a namorada. O direito de ler na escola com o carinho da professora.

          O direito de ler na biblioteca na companhia dos livros. O direito de ler na roda com amigos. O direito de ler para dormir e sonhar. O direito de ler para acordar o mundo. O direito de ler para amar. O direito de ler para conversar melhor sobre as coisas da vida e do mundo. O direito de ler na escola durante uma aula chata, ou na rede para enganar a preguiça.
 

          O direito de ler para se aventurar por entre saberes e sabores. O direito de ler para viajar por pessoas, tempos e lugares. O direito de ler para gastar os livros com as impressões digitais e com as asas da imaginação. O direito de ler para brincar com as palavras, as narrativas, as poesias, as fábulas, os contos. O direito de ler para crescer com os livros fazendo parte de sua vida e de sua história. O direito de ler para compreender o que lê.

         O direito de ler para poder se encontrar com o outro, com o mundo e consigo mesmo. O direito de ler para escrever, reinventar e transformar o mundo. Junto a isso, mais dois direitos fundamentais: toda pessoa tem o direito de não saber ler, mas toda pessoa tem o igual direito de ter vontade de aprender a ler para  viajar nos mundos que moram dentro das palavras.

PIÚBA, Fabiano dos Santos. "Agentes de Leitura: inclusão social e cidadania cultural". In: Yunes, Eliana. Leitores a caminho: formando agentes de leitura. Rio de Janeiro: PUC-Rio, 2011, p. 14.


sexta-feira, 11 de abril de 2014

Porque todos tem o direito à leitura!


          O Projeto “Mais Bibliotecas Públicas – Apoio à instalação e qualificação de Bibliotecas Públicas”, resultado do convênio entre a Fundação Biblioteca Nacional (FBN) e o Centro de Desenvolvimento e Cidadania (CDC), iniciou um processo de mobilização local a favor da ampliação do número de bibliotecas públicas no Brasil.

          Neste último dia 10 de abril, a Biblioteca Municipal Rômulo Wanderley em Parnamirim/RN, foi representada no Teatro de Cultura Popular,  junto a outros tantos interessados nesse equipamento cultural de tão grande valia, que é a biblioteca.
       
          Quem conduziu a discussão a respeito das políticas públicas para as bibliotecas foi Aparecida Fernandes, coordenadora nacional do projeto.  Segundo a mesma, o Brasil ainda associa a noção de desenvolvimento à ideia de crescimento econômico.  No entanto, pesquisas evidenciam que o desenvolvimento de uma região está ligado diretamente à promoção de capacidades humanas, do bem estar social, de forma que as pessoas possam utilizar todo o seu potencial criativo, propositivo e crítico.  

Cida Fernandez fala durante o encontro

          O projeto "Parnamirim, um rio que flui para o mar da leitura" sonha, aguarda e luta pela revitalização de nosso quartel general: a Biblioteca Pública Rômulo Wanderley!


O propósito do "Mais Bibliotecas" é mobilizar e sensibilizar os gestores públicos e a sociedade civil com vistas a ampliar o número de bibliotecas públicas no território brasileiro.

quinta-feira, 10 de abril de 2014

Literatura para todas as idades


          Dizem que é na infância e na velhice que imperam os maiores desafios.  Esses que passam por grandes transformações - aparentemente separados - poder ser unidos ante o poder que reside na literatura.
  
A Caminhada Literária no bairro de Passagem de Areia
          
          Neste último dia 10 de abril de 2014, antecipando-se às comemorações da Semana Nacional da Leitura, as escolas do polo 4, reuniram-se para uma Caminhada Literária que culminou com uma Leitura Pública no Centro de Saúde do Bairro de Passagem de Areia.

          Porque todos tem, segundo o digníssimo estudioso da literatura, Antônio Cândido, necessidades básicas como, por exemplo, alimentação, saúde, educação, lazer e... à literatura!  E esses direitos devem ser respeitados!

          Sem rigidez das faixas etárias leitoras – porque isso não existe! – desde Sr. Antônio Francisco, aluno da Educação de Jovens e Adultos da Escola Municipal Augusto Nunes, que leu “A Casa que a Fome Mora”, de autor homônimo, até a pequena Alice Figueiredo, de apenas 6 anos, que leu "Pêssega, Pêra, Ameixa no Pomar", de Janet e Allan Ahlberg, da Escola Municipal Luzanira Maria, participaram, com igual desenvoltura, diante dos pacientes do posto.  E outros, muitos outros das Escolas Nestor Lima, Manoel de Paiva, Antônio Basílio, Maria do Céu, Maria Saraiva realizaram mediações de leitura para o público em geral.  Parabéns a articuladora do polo 4, Maria do Céu, pela grande mobilização!



A pequena leitora Alice e...
... o experiente Sr. Antonio Francisco lendo para os pacientes do postinho.

        Dentre tantos ouvintes, um pôde compartilhar um pouco de sua história de vida.  Sr. José Santana, de 74 anos, disse, que aos oito anos, estava a "pelejar na roça", mas que sua vontade era de ler!


Sr. José Santana ouve poema de Lenice Gomes através da Profª Aracy

        Porque, como aconteceu em outras ações similares (veja o exemplo do Irene Soares em "A Literatura e seu valor terapêutico", acreditamos que os livros podem contribuir socialmente interferindo e contribuindo para que locais como postos de saúde sejam mais que um espaço de tratamento de doenças: que possam transformar-se em ambientes de lazer e bem-estar físico e mental (por que não?). E para todas as idades!

          Impossível não se emocionar!